Você está aqui: Home » Blog » Pé, Cabeça, Vai!

Pé, Cabeça, Vai!

o_20120806105018_bolt_agranda_la_leyenda_con_su_segundo_oro_de_los_100_metros_ante_yohan_blake_y_justin_gatlin2-e1458164566544

A exposição em público é a absoluta auto-confrontação.

Para muitos de nós não é fácil. A dificuldade de lidar conosco, muitas vezes se traduz em dificuldade de se conectar com o público.

A dica de hoje é ‘Pé – cabeça – vai!’

Ou para quem ainda não me conhece:

Na hora que a ansiedade surge, a tendência principal é esquecer do apoio corporal. Encontrar o apoio não é um processo misterioso. Nós estamos no planeta terra onde tem gravidade! O apoio sempre vai estar em relação ao chão. Geralmente, nós nos apresentamos em pé ou sentados, então o apoio sempre está nos pés ou nos ísquios. Essa é a parte ‘Pé’ (para ler mais sobre isso, clique aqui).

Para aproveitar o apoio disponível, preciso apoiar “tudo de mim”. E não limitar meu apoio no contato com o chão. Geralmente tocamos o instrumento com as mãos, ou com o mecanismo vocal/respiratório para instrumentistas de sopro e cantores, e a atenção é toda concentrada lá. É fácil esquecer até onde vai a minha fisicalidade, a minha totalidade, ou seja, que o topo da minha cabeça existe! Ao incluir  o topo da cabeça na minha estrutura eu integro todo meu sistema. Terei então, “Tudo de mim”. . Os olhos não vão continuar neutros neste processo, eles acordam, a atenção vai a todo lugar e eu estarei totalmente presente.! Essa é a parte ‘cabeça’ (mais sobre isso aqui).

A parte ‘vai’ todo mundo tem. Essa parte é “fazer o que nos escolhemos fazer” – que aparentemente é nos expor! Na hora que a ansiedade da apresentação surge, a sensação é de obrigação de estar lá, não de escolha. O processo de consciência corporal é o aliado neste ponto, pois eu me organizo melhor para entrar em atividade com mais eficiência. Encontro o apoio, acordo o meu sistema como um sistema integrado. Este processo de me cuidar me lembrará de que escolhi estar lá!

‘Apoio – totalidade – vai!

Assim, não toco apenas com os meus braços, nem canto apenas com a minha boca. Eu toco e canto com o meu sistema INTEIRO. Quando o meu sistema estiver conectado, a minha performance irá refletir este processo para quem estiver lá de testemunha. É um processo que posso construir no meu estudo diário.

2017-08-26T14:36:49+00:00

Leave A Comment